Alunos de BH desenvolvem kit de energia solar com placas que acompanham o sol

Projeto será apresentado na França, em julho

Cinco alunos dos cursos de Engenharia Mecânica, Elétrica e de Controle e Automação da faculdade Newton Paiva, de Belo horizonte, foram selecionados para apresentar o projeto de um poste de iluminação operado com energia solar, desenvolvido por eles, no 14º Encontro Internacional Fab Lab, que acontecerá em julho, em Paris, na França.

O grupo foi selecionado para apresentar o protótipo do poste econômico na categoria ‘Inovação e Tecnologia’ do encontro. “O poste solar é uma alternativa que potencializa uma solução sustentável já existente no mercado e pode acabar com o problema dos altos gastos com energia pública em áreas urbanas e rurais”, explica Andréia Sant’Anna, uma das professoras orientadoras do projeto e coordenadora do Smart Campus da Newton Paiva.

O poste de luz foi idealizado pelos alunos Davino Neto, Hugo Nascimento, Ítallo Fernando Amaral, André Mattioli e Marley Luciano. O equipamento opera por meio de painéis solares. Seu grande diferencial é a movimentação da placa fotovoltaica, que possibilita seguir o sol, potencializando o ganho de energia que é armazenada nas baterias de lítio.

Em conversa com o portal Bhaz, a professora, Andréia Sant’Anna, explicou que o poste pode custar de R$ 150 a R$ 200 e traria muita economia na iluminação de estradas e áreas de comunidades carentes. Ela ressalta que dependendo da quantidade de baterias e placas instaladas no equipamento, ele pode iluminar um ambiente por até 30 horas.

Agora, os alunos devem finalizar o projeto e fazer os testes que comprovem sua eficácia. “Estamos discutindo com a Cemig e possibilidade de implantar os protótipos na Vila Vicentina, na cidade de Sete Lagoas. No loca,l já existe um programa de geração de energia solar”, explica Andréia.

Ainda segundo a professora, futuramente, o projeto pode ser aplicado em rodovias, estradas rurais, monumentos públicos e outros locais. “A proposta é melhorar a vida de quem vive nas regiões mais carentes e colaborar com o meio ambiente”, finaliza.

Fonte: BHAZ