Baterias gigantes que podem ser a solução para armazenar energias renováveis serão testadas na Austrália

Vem da Austrália a esperança de armazenamento da energia gerada pela rede eólica. Até o final do ano, a Tesla e a Elon Musk prometem cumprir um ambicioso compromisso: inaugurar a maior bateria do mundo, capaz de ficar conectada a um parque eólico de 99 turbinas armazenando energia. A bateria vai servir como um reservatório para garantir que a região onde ficará instalada tenha energia suficiente para atender em qualquer momento. O equipamento será uma rede de baterias interligadas em unidades da Tesla, chamadas de Powerpacks. Juntas, elas vão fazer o que a empresa chama de “o maior projeto de armazenamento de bateria de lítio-íon no mundo”. A Tesla não revela quantos Powerpacks serão necessários para o projeto, mas se sabe que o equipamento a ser inaugurado terá a capacidade de armazenar 100 megawatts. Será capaz de atender mais de 30 mil casas, de acordo com a empresa.

Mark Tholke, diretor de desenvolvimento da Advanced Microgrid Solutions, empresa que instala esses equipamentos, fala sobre o uso adequado dessas baterias:

“A melhor maneira de pensar sobre o projeto é imaginar uma grande campo de geladeiras, como a Tesla Powerpacks. A energia armazenada pode ser usada a qualquer momento, mas deve-se usar quando os preços da energia são altos e então podemos descarregá-la, economizando e aliviando a tensão na rede elétrica”

Os sistemas como o da Austrália também precisarão incluir inversores para converter a energia CC armazenada nas baterias em AC, que é usada na rede elétrica. Cada Tesla Powerpack tem 16 camadas de baterias internas com grandes quantidades de células.

“Começa com a célula individual”, diz Tholke, que são bem pequenas. Eles formam o bloco de construção fundamental de uma bateria e, neste caso, as células são um modelo chamado 2170, feitas em uma fábrica em Nevada, chamada Gigafactory.

Essas células não só funcionam nos Powerpacks da empresa, que são projetados para o uso da escala de utilidade, como também em suas Powerwalls, destinadas ao uso doméstico, e também nos veículos elétricos produzidos pela Tesla. Cada célula individual tem menos de 3 polegadas de comprimento, menor que 1 polegada de diâmetro e funciona da mesma forma que qualquer bateria de íons de lítio no seu smartphone ou laptop. Há dez anos, as baterias eram muito caras e os projetos como estes não estavam no horizonte de ninguém. Hoje, é uma realidade.

Outro projeto de armazenamento de energia da Tesla em menor porte já está operação em Ontário, Califórnia. Essa instalação de 20 megawatts usa 396 Powerpacks e duas dúzias de inversores, o que significa que o projeto australiano poderá ter centenas de Powerpacks. Outro grande player de baterias, AES Energy Storage, construiu um equipamento com capacidade para 37,5 megawatts de armazenamento. Essas baterias ficam em dois locais também da Califórnia.

A bateria da Austrália está programada para ser concluída até dezembro deste ano. A Elon Musk criou para ela um desafio e tanto. Prometeu que será gratuito se não instalá-lo dentro de 100 dias. Um grande desafio que já está em contagem regressiva. No ano passado, a Austrália foi atingida por uma grande tempestade que provocou um imenso apagão. 1,7 milhão de pessoas ficaram sem energia. A região sofreu outros apagões desde então. A Tesla diz que este enorme sistema de armazenamento de energia ajudará a tornar a rede mais segura e acabar com este tipo de problema.

Marke Tholke diz que as baterias gigantes “ podem desempenhar um papel importante na diminuição do principal problema da geração de energia renovável, o vento não sopra sempre e nem o sol sempre brilha. Nós achamos que essas baterias são uma parte fundamental da transição de energia para um sistema de energia de baixo carbono. As baterias têm uma flexibilidade incrível. Podem ser uma grande vantagem porque seus preços caíram acentuadamente nos últimos anos”.

Fonte: Petro Notícias