Conheça as vantagens da energia solar que tem crescido em Palmas

Pioneiro em aderir ao programa Palmas Solar, o administrador de empresas Rodrigo Margonari garante que a geração de energia fotovoltaica é superior ao consumido, gerando um saldo excedente que pode ser utilizado dentro de 60 dias, em até oito endereços diferentes, além de ter acesso às vantagens oferecidas pela Prefeitura de Palmas.

Margonari conta que ao aderir ao programa conseguiu incentivos municipais de 80% de desconto no IPTU por cinco anos, e que a energia produzida mensalmente trouxe rentabilidade financeira, além de diminuir o gás carbônico (CO2) emitido na natureza, deixando de poluir o meio ambiente.

Segundo a assessora em Eletrotécnica, Lorena da Costa Coutinho, um sistema de 2,64KWp de potência instalada, custa em média R$ 15.000,00, incluso todos os serviços e equipamentos e atende um consumo de até 360 Kwh.

Lorena Coutinho explica que o investimento é recuperado em no máximo quatro anos e que os custos com manutenção são baratos, uma vez que o sistema necessita apenas de limpeza para manter sua durabilidade. “O sistema dura 25 anos trabalhando com a potência total. Após o prazo de duração, começa a diminuir a energia gerada para cerca de 80%, quando deverá ser trocado os equipamentos afetados pelo tempo”, disse.

Vale lembrar que além da redução nos custos mensais com o pagamento da energia, o excedente da energia gerada vira créditos para os próximos meses, reduz a emissão de gás CO2, além de se beneficiar dos incentivos fiscais oferecidos pela Prefeitura Municipal de Palmas.

Ainda de acordo com a assessora em Eletrotécnica, os palmenses que tiverem interesse em instalar o sistema, precisam contratar empresa especializada que fará os cálculos necessários para definir qual potência precisa para atender as demandas de cada residência ou empresa. Lorena Coutinho lembra também que por motivo de segurança, caso acabe a luz na quadra, o sistema de energia solar também é desligado.

Palmas Solar

O Programa Palmas Solar, criado em 2016, conta atualmente com 59 imóveis e beneficiados com incentivos fiscais pelo projeto do Município, e geram mais de 900 kilowatt pico (KWp), que é a unidade de medida utilizada para painéis fotovoltaicos e significa a potência máxima que um painel pode fornecer em condições ideais.

No primeiro ano foram emitidos 18 selos do Palmas Solar para aqueles que aderiram ao programa. Em 2017, foram 36 selos. Em 2018, até o momento, conta com cinco selos de adesão. Esses números devem aumentar uma vez que existem linhas especiais de financiamentos do Governo Federal para a Região Norte, para aquisição e instalação dos painéis fotovoltaicos em residências e empresas.

Os financiamentos podem ser feitos por pessoas físicas e condomínios residenciais, e são oferecidos pelo Banco da Amazônia, Banco do Nordeste e Banco do Brasil. Para os interessados no Norte e Nordeste, os juros cobrados serão de 6,24% ao ano, com 24 meses de prazo e seis meses de carência.

Adesão e benefícios

O programa foi criado pela Lei Palmas Solar (Lei Complementar nº 327/2015) e regulamentado pelo Decreto Municipal nº 1.220, de 28 de março de 2016.  Por meio do Palmas Solar, o Município oferece, em contrapartida, benefícios fiscais a quem adotar a geração de energia fotovoltaica em residências, comércios ou indústrias.

Quem adere ao Palmas Solar recebe incentivos, com descontos que chegam até 80% no IPTU, por cinco anos. Assim como também no Imposto Sobre a Transmissão de Bens Imóveis (ITBI) na primeira transferência de imóvel e no Imposto Sobre Serviços de Qualquer Natureza (ISSQN).

Fonte: Surgiu