Copame aposta na energia solar como forma de economia

Micro usina solar está em funcionamento na instituição que atende crianças de até 12 anos em situação de vulnerabilidade social.

Por: Four Comunicação

A Associação Comunitária Pró-Amparo ao Menor (Copame) conta sempre com apoio de parcerias para manter a sua estrutura e atender crianças de até 12 anos em situação de vulnerabilidade social. Um dos diversos gastos fixos da instituição é com energia elétrica, uma média de R$ 9,5 mil mensais. Com o intuito de economizar com a conta de luz, a Copame investiu em uma micro usina geradora de energia solar, que entrou em operação na última quarta-feira, 7 de março. O sistema que utiliza a energia do sol é renovável, sustentável e econômico.

Conforme o supervisor Administrativo e Financeiro da Copame, Elói Pranke, os recursos para o investimento tiveram origem a partir de duas festas beneficentes realizadas pelo Lions Clube Centro e pelo Rotary Club de Santa Cruz do Sul – Oeste. Além disso, a aquisição também foi possível em virtude da doação do exterior e de empresas locais, como a Imply Tecnologia e a Solled Energia, esta última responsável pela instalação do equipamento. A micro usina em funcionamento possui 100 módulos (placas solares) de 330 w, um total de 33 Kwp, um consumo de 45.360 Kwp por ano, o que resulta em uma economia estimada de R$ 35 mil por ano.

Pranke explica que este é apenas 1/3 do projeto necessário para o consumo mensal de energia da entidade. “Nesta primeira etapa, vamos economizar cerca de 35% na conta de luz, mais ou menos uma economia de R$ 3 mil mensais”, destaca. Ele ainda salienta que o objetivo é aumentar a capacidade de geração de energia solar, entretanto, para isso, é preciso que os parceiros continuem apoiando a instituição. “Precisamos do auxílio da comunidade para fazer mais um módulo.Queremos alcançar o máximo permitido em energia solar”.

Micro usina entrou em operação esta semana Divulgação

COPAME

A Copame, que zela por um atendimento digno e fraterno,é uma instituição muito importante para a comunidade santa-cruzense e da região. Fundada em 1984, atende crianças de até 12 anos, em situação de vulnerabilidade social, uma média de 40 pequenos assistidos por mês, encaminhados pelo Conselho Tutelar e com determinação do Juizado Regional da Infância e da Juventude. A entidade se mantém por meio de doações de pessoas físicas e jurídicas, associados e convênios com prefeituras da região, bem como com apoio de voluntários e da comunidade.

Em sua estrutura, que contempla recepção, área administrativa, salas para equipe técnica, cabana de convivência, gramado, playground e quadra esportiva coberta, ainda há uma padaria, que atende empresas da região, e se tornou uma fonte muito importante de renda para a entidade. As crianças ainda contam com atendimento médico, psiquiátrico, psicológico, nutricional, odontológico e pedagógico, assim como são acompanhadas por cuidadores para estudar em escolas públicas locais. Mas, a Copame está em constante desafio para se manter em funcionamento, necessitando sempre do apoio dos parceiros e da comunidade.

Fonte: Gazeta