Edifício corporativo em Curitiba é o primeiro no país autossuficiente em água e energia

Nova sede da RAC Engenharia, no Bacacheri, é autossuficiente em água e energia elétrica e recebeu a certificação LEED Platinum pelo projeto.

Foto: Divulgação

A nova sede da RAC Engenharia, no Bacacheri, será o primeiro edifício corporativo no Brasil a ser autossuficiente em água e energia. Isso significa que toda a energia elétrica consumida será produzida no prédio, a água do esgoto tratada e a água da chuva transformada em água potável. O empreendimento rendeu à obra a certificação LEED Platinum, com 97 pontos – a maior pontuação da América Latina. A obra também recebeu o 4º Prêmio Saint Gobain de Arquitetura – Habitat Sustentável.

nova sede da RAC Engenharia será autossuficiente em água e energia elétrica. Foto: Divulgação/RAC Engenharia.

Para que tudo isso fosse possível, o orçamento do projeto cresceu em 14%, como conta Ricardo Cansian, diretor da RAC Engenharia. Todavia, no que se refere à energia elétrica, a empresa deverá economizar cerca de R$ 20 mil reais por ano. A previsão é de que o montante investido seja recuperado em quase 10 anos.

“Trata-se mais de uma mudança de visão sobre a forma de conduzir os negócios e projetos na construção civil do que meramente uma questão de custo”, afirma Cansian.

Atualmente, o Brasil ocupa a 4ª posição em um ranking de 165 países que possuem a certificação LEED, com 1.230 projetos registrados.

Autossuficiência

Toda a energia elétrica utilizada no prédio, incluindo elevadores e outros equipamentos, é gerada por painéis fotovoltaicos. Anualmente, são gerados 26.509 kW. Algumas medidas também foram tomadas para reduzir o consumo de energia do edifício, como ouso de luz natural, de lâmpadas LED e a instalação de sensores fotométricos e de presença, além de um ar-condicionado supereficiente, que atua de acordo com a real carga térmica necessária em determinado momento. Estas medidas, segundo Cansian, resultam em uma redução de 46% do consumo, comparado ao de um edifício comum.

Ar-condicionado supereficiente, que atua de acordo com a real carga térmica do ambiente, é um dos diferenciais do prédio. Foto: Divulgação/RAC Engenharia.

Para atingir a autossuficiência em água, a nova sede contará com captação, tratamento e transformação dos efluentes no prédio. Por isso, o projeto conta com uma estação própria de tratamento de esgoto.

Este tratamento é realizado em duas fases, sendo a primeira delas a de decomposição da matéria orgânica. A segunda ocorre quando a água passa por uma filtragem natural, feita por reatores anaeróbios, wetlands e jardins filtrantes, que usam plantas flutuantes ou emergentes na montagem de um poço artesiano, que completa o processo de desinfecção. A água decorrente do tratamento será reutilizada nos vasos sanitários.

Um reservatório de 5 mil litros faz a captação da água da chuva no telhado da edificação. Esta água também passa por um tratamento que a transforma em água potável, que será utilizada nas torneiras e chuveiros.

Estação de recarga para carros elétricos e incentivo ao uso de meios alternativos de transporte são outros destaques. Foto: Divulgação/RAC Engenharia.

Outra medida sustentável da edificação é o incentivo ao uso de transporte público ou alternativo. O projeto conta com uma estação de recarga para carros elétricos, abastecida por energia solar, e um bicicletário e vestiário para o uso de funcionários. A empresa também estimula ações como a carona solidária, disponibilizando vagas especiais no estacionamento para quem a pratica.

Fonte: Gazeta do Povo