Energia solar é alternativa para gargalos de eficiência e sustentabilidade na logística

(Dino)

A logística no Brasil vive um momento em que eficiência é a palavra de ordem. Levantamento da Confederação Nacional do Transporte (CNT) projeta que, em 2020, o investimento público no setor em deve ser o menor em 16 anos. Assim, organizações do ramo têm apertado os cintos e implementado tecnologias que permitam redução nos custos e ampliação da margem para novos investimentos. É o caso da energia solar.

Por ser um insumo essencial, principalmente em grandes galpões logísticos, a energia elétrica constitui um custo significativo para o desenvolvimento da atividade. Ao utilizar um recurso renovável e disponível na natureza para gerar a própria eletricidade, muitas empresas de logística conseguem reduzir a fatura de energia em patamares que podem alcançar os 90%.

Com esse desempenho, a geração de energia solar fotovoltaica tem sido uma das alternativas buscadas por empresas de logística para ganhar competitividade em um momento de recuperação econômica. Do mesmo modo que ajuda na busca por eficiência, a implementação de sistemas fotovoltaicos coloca a cadeia logística na rota da sustentabilidade. Isso porque o setor ainda depende de combustíveis fósseis, considerados os vilões das mudanças climáticas.

Seja no abastecimento da frota de veículos que roda as estradas do país ou na alimentação de geradores de energia que não deixam galpões logísticos parar, combustíveis poluentes como o diesel e a gasolina são amplamente usados por empresas de logística. Nesse sentido, a energia solar fotovoltaica igualmente constitui uma solução, pois possibilita que as organizações do ramo tenham mais autonomia energética a partir de uma fonte limpa e sustentável de energia.

Como maior produtora de energia privada do país, a ENGIE já implementou projetos de energia solar fotovoltaica em empresas do setor logístico. Os resultados obtidos com os sistemas fotovoltaicos instalados indicam que o investimento tem rápido payback e, em 25 anos, pode gerar economia suficiente para resgatar a capacidade de investimentos das companhias, bem como reduzir o impacto ambiental da logística brasileira.

Para saber mais sobre a energia fotovoltaica da ENGIE, acesse www.engie.com.br/solar

Fonte: Exame