Estufa solar inteligente gera energia elétrica de forma sustentável

Os tomates e os pepinos estão entre as principais culturas produzidas em estufa em todo o mundo. As plantas são sensíveis não apenas à intensidade da luz, mas também à cor.

Estufa solar inteligente | Reprodução

Colocar painéis solares num telhado é uma boa ideia. Cultivar alimentos em uma estufa também é uma ótima ideia. Mas colocar essas ideias em comum geralmente não funciona porque os painéis solares bloqueiam a luz solar, e as plantas precisam florescer. Pesquisadores da Universidade da Califórnia, criaram uma nova tecnologia de painéis solares que chamam de sistemas fotovoltaicos. Ele usa parte do espectro de luz visível para gerar eletricidade.

Quais são as vantagens de usar uma Estufa solar inteligente para a agricultura?

Os sistemas fotovoltaicos seletivos de comprimento de onda (WSPV) usam painéis de telhado transparentes embutidos com um corante magenta luminescente para absorver alguns dos comprimentos de onda azul e verde da luz solar e transferi-lo para tiras fotovoltaicas estreitas que geram eletricidade. Os outros comprimentos de onda passam para o interior da estufa. Qual o resultado? Uma energia solar que custa menos por watt do que os sistemas convencionais existentes no telhado, e um aumento no crescimento de muitas frutas e vegetais através do novo sistema.

Dentro de duas estufas experimentais – uma no campus e outra em Watsonville, Califórnia – a equipe levantou 20 variedades de tomates, pepinos, limões, limas, pimentas, morangos e manjericão. “80% das plantas não foram afetadas, enquanto 20% realmente cresceram melhor sob as janelas magentas”, relata Michael Loik, professor de estudos ambientais da Universidade da Califórnia.

Ele é o principal autor de um artigo sobre o programa publicado na edição atual do jornal Earth’s Future da American Geophysical Union. “Demonstraram que” estufas inteligentes “podem capturar energia solar para eletricidade sem reduzir o crescimento da planta, o que é bastante emocionante.” Há mais boas notícias. As plantas nas estufas equipadas com WSPV usaram 5% menos de água do que aquelas criadas em instalações convencionais.

“Eu pensei que as plantas crescessem mais lentamente, porque é mais escuro sob esses painéis rosa. A cor da luz faz com que seja como estar no Planeta Vermelho “, diz Loik. “As plantas são sensíveis não apenas à intensidade da luz, mas também à cor.

O uso de estufas para crescer frutas e vegetais em todo o mundo aumentou 600% nos últimos 20 anos e as estufas agora cobrem o equivalente a 9 milhões de acres – o dobro do tamanho de Nova Jersey. “É grande e está ficando maior”, diz Loik. “O Canadá depende fortemente de estufas para a produção de vegetais e seu uso também está crescendo na China.” Os tomates e os pepinos estão entre as principais culturas produzidas em estufa em todo o mundo. As estufas plásticas também estão se tornando populares para a agricultura comercial em pequena escala e a produção de alimentos domésticos, acrescenta.

As estufas consomem muita eletricidade para dirigir os ventiladores, as luzes, os tubos e os sistemas de monitoramento dentro. “Esta tecnologia tem o potencial de tirar inundações offline”, diz Loik, especialista em mudanças climáticas, fisiologia vegetal, recursos hídricos e tecnologias sustentáveis. O custo por watt do sistema WSPV é de 65 centavos por watt – cerca de 40% menos do que o custo por watt das células fotovoltaicas tradicionais à base de silício. “Se as estufas geram eletricidade no local, isso reduz a necessidade de uma fonte externa, o que ajuda a reduzir as emissões de gases de efeito estufa ainda mais”, acrescenta. “Estamos nos movendo em direção a estufas auto-sustentáveis”.

Esta é mais uma boa notícia sobre o casamento da energia solar e da agricultura. O Instituto Fraunhofer para sistemas de energia solar, na Alemanha, informa que os painéis solares montados acima das terras agrícolas podem aumentar a eficiência de cada acre de terra em até 60%. O aquecimento global já está mudando a agricultura tradicional. As estufas podem ser vitais para alimentar o planeta nos próximos anos, uma vez que a mudança climática torna algumas áreas agrícolas menos produtivas, reduzindo os rendimentos por acre.

Fonte: Folha Sustentável