Fontes alternativas de energia

Fontes alternativas de energia são opções energéticas que causam menos impactos negativos ao meio ambiente, como energia solar, energia eólica e energia da biomassa.

Fontes alternativas de energia, como as representadas na imagem, são uma possibilidade de energia limpa e de baixo impacto ambiental negativo.

Os modelos socioeconômicos atuais são baseados na sua dependência em relação aos combustíveis fósseis. A base energética da nossa sociedade é fundamentada no uso das chamadas energias convencionais: carvão, petróleo, gás natural e hidroeletricidade.

As fontes de energias convencionais têm causado grandes impactos negativos ao meio ambiente. Os modelos energéticos baseados no uso de combustíveis fósseis e seu processo de queima para obtenção de energia lançam à atmosfera gases poluentes que agravam o efeito estufa, aumentam o aquecimento global e alteram as condições climáticas de várias regiões. Esses modelos também são problemáticos porque são recursos não renováveis, e seu esgotamento já faz parte de intensos debates a respeito da necessidade de se ampliar a matriz energética por meio do uso de fontes alternativas de energia.

Fontes de energia renováveis e não renováveis

Fontes renováveis de energia são aquelas disponíveis na natureza durante um longo período, que são capazes de se renovar em um curto espaço de tempo, como energia solar e energia eólica. Pode-se dizer, assim, que são recursos inesgotáveis. Já as fontes não renováveis são aquelas que se esgotam com o tempo, não sendo capazes de se renovar, como os combustíveis fósseis.

Vantagens e desvantagens

As fontes alternativas de energia são uma opção de substituição do modelo energético atual, que se baseia no uso de combustíveis fósseis (poluentes e esgotáveis).

Veja as principais vantagens do uso de fontes alternativas de energia:

→ São consideradas energias limpas (menos poluentes) e inesgotáveis, podendo regenerar-se em pouco tempo na natureza.

→ Os impactos negativos na natureza são bem menores se comparadas ao uso de fontes não renováveis.

→ Comparadas ao uso de energia nuclear, as fontes alternativas oferecem riscos bem menores.

→ O uso dessas fontes é uma forma de se reduzir a dependência em relação ao modelo energético atual (uso de combustíveis fósseis).

Algumas fontes alternativas de energia podem sim impactar o meio ambiente. Veja as principais desvantagens do uso de fontes alternativas de energia:

→ As fontes alternativas de energia, como a solar e a eólica, produzem energia a preços relativamente baixos, porém os custos para sua construção estrutural ainda são muito altos. No entanto, com avanços tecnológicos, esses custos tendem a ser cada vez menores, viabilizando o acesso a essas fontes de energia à maior parte da população.

→ Apesar de ser considerada limpa, a energia eólica, que depende da instalação de aerogeradores, é capaz de provocar mudanças nas paisagens dos locais onde for instalada e pode também interferir no fluxo migratório de aves dessas regiões.

→ A utilização de biocombustíveis pode intensificar os problemas relacionados ao desflorestamento. O uso de biomassa para obtenção de energia, por meio da queima de plantas, madeiras e materiais vegetais e animais, requer ampliação de áreas para agricultura ou desflorestamentos para obtenção de madeira.

Tipos alternativos de energia

Fontes alternativas de energia apresentam maior disponibilidade e causam menos impactos ambientais, porém são pouco utilizadas por necessitarem de maiores investimentos tecnológicos que viabilizem economicamente seu uso.

O aproveitamento da energia solar representa uma opção limpa e com bom custo-benefício.

Entre as fontes alternativas de energia, destacam-se:

1. Energia Solar

A utilização de energia solar como fonte de energia alternativa possui inúmeras vantagens. É uma matriz energética, é limpa, renovável, abundante e que apresenta bom custo-benefício. Nos Estados Unidos, já é bastante usada no aquecimento de água e na geração de energia elétrica. Países que se encontram nos trópicos – como México, Bahamas, China, Brasil e Paraguai – possuem grande potencial de obtenção dessa energia, em decorrência da grande insolação que recebem. O aproveitamento da luz solar, no entanto, ainda requer avanços na tecnologia para que seu uso seja viabilizado economicamente.

A energia elétrica por meio da luz solar pode ser obtida de duas formas:

• Direta: por meio de painéis de células fotovoltaicas ou por meio de coletores instalados no telhado das residências.

• Indireta: por meio de usinas, construídas em áreas em que a insolação é abundante, onde são instalados inúmeros coletores solares.

Aerogeradores eólicos usados para geração de energia eólica.

2. Energia Eólica

vento é um recurso natural abundante e, quando intenso, pode ser usado para a obtenção de energia, produzida a um custo, geralmente, baixo. Seu uso como gerador de energia iniciou-se no século XIX. Segundo a Revista Exame1, em 2017, cerca de 18% da energia gerada nos Estados Unidos provém de fontes alternativas de energia, como a energia eólica. O Brasil ainda não se destaca no uso de energia eólica, porém tem demonstrado alguns avanços, principalmente nos estados das Regiões Nordeste e Sul, que contam com a presença de ventos alísios.

A obtenção de energia eólica ocorre por meio de equipamentos chamados aerogeradores eólicos, que convertem a energia cinética dos ventos em energia elétrica. Por esse processo não emitir gases poluentes para a atmosfera, essa energia é considerada uma fonte limpa. Apesar disso, a instalação de aerogeradores eólicos em fazendas provoca modificações na paisagem e prejudica as aves em suas rotas migratórias. Os aerogeradores ainda necessitam de avanços em seu desenvolvimento, pois ainda possuem um alto custo.

Biocombustíveis são produzidos por meio da queima de produtos da biomassa, como plantas e madeiras.

3. Biocombustíveis

O uso de biocombustíveis é feito por meio do aproveitamento da biomassa. A energia proveniente da biomassa pode ser obtida por meio da queima de plantas, madeiras, materiais vegetais e animais. Existem diversos processos que geram energia elétrica por meio da biomassa, como combustão direta, fermentação, gaseificação, entre outros. É uma fonte de energia pouco poluente, e seus recursos são renováveis. Os biocombustíveis produzidos pelo aproveitamento da biomassa são:

→ Etanol: gerado a partir da cana-de-açúcar, eucalipto, milho ou beterraba. É um combustível renovável e menos poluidor que a gasolina.

→ Biodiesel: produzido a partir de gorduras vegetais ou plantas oleaginosas. Foi consagrado como combustível ecológico, pois emite cerca de 60% menos gás carbônico e 90% menos enxofre que os combustíveis tradicionais.

→ Biogás: obtido por meio das reações anaeróbicas (sem oxigênio) da matéria orgânica encontrada nos lixos produzidos nas áreas urbanas e depositados em aterros sanitários. É utilizado como gás de uso doméstico e como combustível de veículos.

A utilização de biocombustíveis, contudo, apresenta aspectos negativos. Algumas dessas fontes alternativas de energia, para serem produzidas, utilizam muita água. A agricultura já é responsável por cerca de 70% do consumo de água do mundo. A expansão dessa atividade econômica, além de aumentar o gasto de água para viabilizar a produção de energias alternativas, demandaria o aumento de ocupação de terras e, consequentemente, do desmatamento.

A força das ondas é usada para produção de eletricidade.

4. Energia dos Oceanos

A energia dos oceanos é obtida por meio da força gerada pelo deslocamento das massas de água, que gera acúmulo de energia. O aproveitamento desse tipo de matriz energética pode ser feito por meio da energia das ondas, da energia das marés, da energia das correntes marítimas ou da energia térmica dos oceanos. O aproveitamento dessas energias demanda avanços e aperfeiçoamentos para que essa fonte alternativa possa ser difundida em todo o mundo. A energia dos oceanos é considerada uma fonte de energia limpa, por agredir minimamente o meio ambiente. A Noruega, por exemplo, é um dos países que já utiliza a força das ondas para produzir eletricidade.

Usina geotérmica na Islândia.

5. Energia Geotérmica

A energia geotérmica provém do calor gerado no interior do planeta. Esse calor é transformado em energia elétrica nas usinas geotérmicas, que são construídas, geralmente, em zonas que possuem atividades vulcânicas, visto que, nesses locais, o vapor e a água quente encontram-se em profundidades menores e afloram na superfície. O calor é aproveitado para a produção de vapor, que move as turbinas das usinas. Por fim, os geradores transformam a energia cinética em energia elétrica. O uso dessa fonte de energia só é possível em razão da capacidade que a Terra tem de reter calor em seu interior.

A energia geotérmica possui aspectos positivos, como baixos custos para sua manutenção e não agressão ao solo. No entanto, os aspectos negativos são inevitáveis, pois a produção desse tipo de energia gera emissão de dióxido de enxofre, gás altamente prejudicial à saúde. Há ocorrências também de afundamentos de terra e contaminação de lagos nos locais onde são instaladas usinas geotérmicas.

A ampliação dos recursos energéticos é uma necessidade mundial, visto que o esgotamento dos recursos energéticos não renováveis já é uma realidade da nossa sociedade. Além disso, o modelo energético atual tem agravado os problemas climáticos, em decorrência das intensas emissões de gases poluentes à atmosfera, por meio da queima dos combustíveis fósseis. Para que isso seja possível, é preciso que a sociedade opte por alternativas que diminuam os impactos ambientais. Além disso, são necessários investimentos públicos e privados em tecnologias que geram energia limpa, pois a população precisa ter acesso a essas fontes alternativas.

Fonte: Brasil escola