Geração eólica do Nordeste surpreendeu em Setembro

O parque eólico do Nordeste tem gerado muito mais do que o hidráulico na Região.

Foto: Climatempo

Nesta época do ano venta bastante no Nordeste, devido à predominância dos ventos de sudeste da alta subtropical em alto-mar. No entanto, ao longo deste meses de agosto e de setembro, o sistema de alta pressão ficou praticamente parado no mar e em uma posição que favoreceu os ventos fortes e constantes de sudeste sobre todo o Nordeste, como podemos ver no mapa abaixo.

Esta situação pode ser observada de forma quase que constante nas últimas semanas, pois o grande sistema seco que predominou sobre o país bloqueou a passagem das frentes frias e essa alta pressão A que vemos no mapa ficou praticamente parado durante muito tempo, favorecendo uma elevada geração no parque eólico instalado na costa nordestina.

A geração hidráulica da região Nordeste vem sendo castigada pelos efeitos da seca dos últimos anos. A vazão no rio São Francisco está muito abaixo do normal ao longo dos últimos anos. Nos últimos meses, a energia natural afluente (ENA) desta região tem ficado em torno de 30% do que deveria ser, segundo dados da ONS (Operador Nacional do Sistema). Normalmente, o subsistema Nordeste deveria receber energia para atender a demanda da Região, mas curiosamente nestas últimas semanas ela gerou mais energia do que precisava e exportou para os outros subsistemas. Quem salvou, neste caso, foi a geração eólica que, por causa desses ventos fortes, gerou de cinco a seis vezes mais do que a geração hidráulica (ONS).

O gráfico abaixo mostra os percentuais de geração do subsistema Nordeste na manhã deste domingo (ONS).

Foto: Climatempo

Observe que também existe a necessidade de muita geração térmica e isso justifica o retorno da bandeira vermelha, conforme determinação da ONS.

Foto: Climatempo

Ao longo das próximas semanas as áreas de instabilidade devem se deslocar pelo país. Com isso, o sistema de alta pressão que nas últimas semanas favoreceu a elevada geração eólica deve enfraquecer, pois a atuação sobre o Nordeste dos ventos fortes e constantes de sudeste será menor. Por outro lado, a geração hidráulica nos subsistemas Sul e Sudeste tendem a aumentar, depois de um agosto e setembro muito secos.

Fonte: Terra