Inovação na iluminação pública é alimentada pela energia solar

Praça no Jardim Chapadão recebe 114 postes com lâmpadas de LED e quatro miniusinas que armazenam e distribuem a carga elétrica gerada pelo sol.

Postes de iluminação abastecidos por energia solar dão aspecto “futurista” a praça no Jardim Chapadão (Foto: Gustavo Magnusson)

POR PREFEITURA DE CAMPINAS…
conteúdo de responsabilidade do anunciante

A força da inovação não é apenas um modo de falar na Praça Osvaldo Aranha, no Jardim Chapadão. Ali, na prática, um novo conceito de iluminação pública levou modernidade e segurança aos moradores do bairro. Desde o mês de maio, a área de 12.367 m², equivalente a 12 campos de futebol, é iluminada pela energia solar.

O local recebeu 114 postes com lâmpadas de LED. Destes, quatro funcionam como miniusinas que captam a energia solar, armazenam e distribuem para o sistema de fiação subterrânea. A iluminação é controlada por um timer que determina horários para acender e apagar.

“Além da inovação que fizemos, iluminando o local por meio de energia limpa e renovável, melhoramos a segurança da praça”, afirma o prefeito Jonas Donizette. A avaliação é compartilhada por moradores da vizinhança.

“Antigamente aqui era muito inseguro, porque a partir das seis da tarde não dava para ver quem estava na praça”, diz a estudante Ana Paula Marques. “Esperamos muitos anos para que a iluminação chegasse aqui, agora assim está bom”, atesta a moradora Joana da Silva Costa.

A obra foi resultado de um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) assinado com Secretaria do Verde, Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável, sem custos para a Prefeitura.

MELHORIAS

O Departamento de Parques e Jardins (DPJ), da Secretaria Municipal de Serviços Públicos, executou o levantamento de copa das árvores, retirando os galhos mais baixos. A poda permitiu a entrada de mais iluminação natural para as células fotovoltaicas e ampliou o espaço para a circulação de pessoas.

Além disso, foram retiradas as árvores que caíram com a chuva e estavam impedindo áreas de passeio público. Os restos de madeira foram triturados e utilizados no próprio local para enriquecimento orgânico do solo. Ações de sustentabilidade, que fazem da praça um espaço modelo na cidade.

Fonte: G1