Limpeza de placas beneficia energia solar

Os estudantes Michelle Melo e João Lucas de Souza contam com a orientação da professora Danielle Delgado

Com elevado índice de radiação solar, a Bahia ainda figura em 10º lugar no ranking de geração de energia a partir do sol, com mais de 220 sistemas fotovoltaicos, segundo levantamento divulgado pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel). O alto potencial do estado e o uso de minissistemas de geração distribuída, entretanto, fazem com que a invenção de um sistema de limpeza das placas e painéis solares seja certeza de sucesso no setor.

projeto PSClean, desenvolvido pelos estudantes baianos  Michelle Melo e João Lucas de Souza, já foi duplamente premiado. Eles desenvolveram um sistema automatizado para limpeza e arrefecimento de painéis solares, que ganhou o Prêmio  Arlindo Fragoso, do Conselho Regional de Engenharia e Arquitetura (Crea), e do concurso “Uma Ideia na Cabeça, Uma Inovação na Mão”, do Instituto Federal da Bahia (Ifba).

Invenção

Agora, em 2017, o reconhecimento vem do Grupo A TARDE, após inscrição do projeto, em agosto, durante a edição em Salvador da Campus Party, evento tecnológico internacional.

A ideia dos estudantes de Paulo Afonso, no norte do estado, e de outros cinco pesquisadores e grupos de pesquisa, está entre as selecionadas pelo Grupo A TARDE, dentro da ação A TARDE Inovação e Tecnologia, lançada no evento. Desde então, os projetos vinham sendo analisados pela curadoria, que divulga agora os vencedores, após analisar a autenticidade de cada proposta.

Todas as ideias estão sendo apresentadas em reportagens diárias, publicadas esta semana em A TARDE e também veiculadas na rádio A TARDE FM (103,9). “Nosso diferencial  é o sistema de bocal móvel que amplia e direciona o fluido de limpeza ao painel fotovoltaico, economizando-se água e quantidade de bocais”, explica Michelle Melo, graduanda em engenharia elétrica no Ifba.

Segundo ela, os outros sistemas precisam, em média, de três bocais fixos por painel. Na Campus Party, o projeto PSClean foi um dos apresentados na  chamada Campus Future, espaço  destinado a divulgação e exposição de projetos acadêmicos de universitários que tenham destaque pela tecnologia, sejam inovadores, criativos e também tenham impacto social relevante.

A invenção dos estudantes baianos, que contam com a orientação da professora Danielle Delgado, já está patenteada, com processo protocolado no Instituto Nacional da Propriedade Industrial (Inpi).

Vantagem

Com a divulgação do projeto, os estudantes esperam mais apoio para pesquisa, visando ao aperfeiçoamento para ampliar ainda mais a eficiência do sistema.

Já para a inserção no mercado, é preciso despertar a atenção de investidores, inclusive quanto à viabilidade, diante do baixo custo dos materiais utilizados e o interesse do setor que, no país, só utiliza sistemas manuais de limpeza. “Somente os países desenvolvidos já atuam com sistemas automatizados como o nosso”, frisa Michelle. “É feita a limpeza de forma eficiente e sem riscos de choque ou acidentes ao se evitar a intervenção humana”, completa.

Michelle destaca ainda a vantagem da adoção do sistema em ambientes em que as usinas solares se encontrem em áreas de difícil acesso e em outros em que a limpeza dos painéis seja necessária, com intervalos de tempo de limpeza de painéis  conforme região onde estejam instalados.

Fonte: A Tarde