Marinha do Brasil passa a utilizar energia solar para suprir próprio consumo de eletricidade

Agência da Capitania dos Portos de Tramandaí, no Rio Grande do Sul (RS), é a primeira organização militar a apostar na tecnologia fotovoltaica

Por meio da instalação de 75 painéis fotovoltaicos, com capacidade de geração de 20 mil watts, a Agência da Capitania dos Portos de Tramandaí, localizada no litoral norte do Rio Grande do Sul (RS), é a primeira organização militar no Brasil que irá utilizar apenas a radiação solar para a geração de energia elétrica.

Esta ação, que irá proporcionar uma economia de até 95% na conta de luz na instituição, irá gerar ainda créditos de energia junto à rede da concessionária local, que estarão disponíveis para serem utilizados por um prazo de até 60 meses.

Para a implementação do sistema, a pequena usina fotovoltaica passou a ocupar parte do telhado das áreas de estacionamento do local e exigiu um investimento de aproximadamente R$ 80 mil. Os geradores estão operando desde março deste ano e fazem parte do programa da Marinha Brasileira denominado Con energia. A ideia é incentivar as organizações militares a buscarem estratégias de redução de gastos envolvendo o uso de energia limpa.

De acordo com o Comandante da Agência, capitão de Corveta Darcy da Cunha Dalbon, a energia fotovoltaica, já era adotada parcialmente em outras organizações militares, mas não integralmente: “Com a experiência de Tramandaí, novas unidades devem adotar o modelo”, explica.

Vale lembrar que esta modalidade de geração de energia pelo próprio consumidor foi estabelecida com a Resolução Normativa Nº482 da ANEEL (Agência Nacional de Energia Elétrica), a qual entrou em vigor em 17 de abril de 2012. Por meio dela, a geração de energia é realizada em pontos diversos, por meio de sistemas geradores que ficam próximos ou até mesmo na própria unidade consumidora (casas, empresas e indústrias) e que são ligados à rede elétrica pública.

Fonte: Portal Solar