Megausina de energia solar no Marrocos pretende abastecer a Europa

Localizada no deserto marroquino, a usina do tamanho de 200 campos de futebol espera suprir a demanda de energia do país e exportar para a Europa

O governo marroquino espera reduzir a produção de combustíveis fósseis e se concentrar nas fontes limpas e renováveis (Foto: Reprodução/Youtube)

Centenas de espelhos cruzados sob um chão seco e cheio de rachaduras formam uma das maiores usinas solares do mundo. Localizada no deserto do Marrocos, a usina espera suprir a crescente demanda de energia do país e até mesmo exportar energia solar para a Europa.

O complexo está ao pé da cordilheira do Atlas e fica a 10 km da cidade de Ouarzazate, ocupando uma área de 1,4 quilômetro quadrado de deserto – o equivalente a 200 campos de futebol. Com 330 dias de sol por ano, o local é ideal para a produção desse tipo de energia.

A primeira fase da usina marroquina, chamada Noor 1, foi inaugurada em fevereiro de 2016 e já ultrapassou as expectativas do governo marroquino de produção energética. Com isso, o país espera reduzir a produção de combustíveis fósseis e se concentrar nas fontes limpas e renováveis.

Como funciona?

Os espelhos da usina filtram a energia do sol e esquentam um óleo sintético a uma temperatura de até 350°C que é usado para produzir vapores de água e alimentar um gerador movido a turbinas. “É o mesmo processo dos combustíveis fósseis, só que usamos o calor do sol como fonte”, explica Rachid Bayed, da Agência Marroquina de Energia Solar (Masen, na sigla em inglês).

Além disso, parte da energia produzida é armazenada em reservatórios feitos de nitrato de sódio e potássio. Dessa forma, a usina continua gerando energia mesmo após o pôr do sol, mantendo a produção por até mais três horas. Na fase Noor 2, que está em construção, a expectativa é que a produção continue por oito horas após o sol se pôr.

Haverá ainda uma terceira fase da usina, a Noor 3, que em vez de usar espelhos enfileirados, capturará energia através de uma torre única e com espelhos que refletirão os raios para um capturador no topo da torre. O método é considerado mais eficiente e ocupará menos espaço.

Países vêm adotando energia solar

Graças ao custo cada vez menor da energia solar, esse modelo de produção de energia tem sido adotado por vários países africanos. A usina de Ouarzazate é apenas uma entre várias que estão sendo construídas no continente e também no Oriente Médio, na Jordânia, nos Emirados Árabes Unidos e na Arábia Saudita.

Com isso, esse modelo pode ajudar a definir o futuro energético da África e tornar o continente como um grande exportador de energia para o resto do mundo. “Nosso principal objetivo é a independência energética, mas, se um dia estivermos produzindo a mais, podemos suprir outros países”, afirmou o coordenador da usina marroquina, Mustapha Sellam.

O país planeja até 2020 ter 14% de sua energia gerada através do sol e acrescentar outras fontes renováveis para produzir 52% de sua própria energia até 2030. A União Europeia financiou 60% dos custos do projeto para a construção da usina de Ouarzazate.

Fonte: Opinião & Notícia