MRV vai investir R$ 800 milhões em energia fotovoltaica no País

Construtora pretende incluir os painéis fotovoltaicos em todos os empreendimentos novos | JOÃO MATTOS/ARQUIVO/JC

Líder no segmento de imóveis econômicos, a MRV Engenharia vai implantar o sistema de aproveitamento de energia fotovoltaica solar em seus empreendimentos. No final do ano passado, a empresa entregou seu primeiro residencial equipado com células fotovoltaicas e, até o final do segundo trimestre de 2017, a MRV lançou 8.334 unidades habitacionais que contam com o sistema o que representa quase metade do total de unidades lançadas pela empresa até o primeiro semestre deste ano. A intenção da construtora é que, até 2021, todos os seus empreendimentos sejam lançados com essa tecnologia. Para isso, a MRV deverá investir cerca de R$ 800 milhões no período.

Os empreendimentos que contam com a energia solar fotovoltaica oferecem energia limpa e economia para seus moradores. “O valor do condomínio é sempre uma preocupação para quem está comprando a casa própria. Segundo especialistas, a energia elétrica é o segundo item que mais impacta no valor da taxa depois das despesas com mão de obra – e gira entre 10% a 17% do custo condominial. Os itens que mais consomem energia elétrica dentro de condomínios são os sistemas de iluminação de áreas comuns, como halls, escadarias, elevadores e motores de portões e bombas de recalque, por exemplo. Com o uso da energia solar, o consumo mensal de energia de um condomínio pode cair em até 80%”, destaca o presidente do Conselho Administrativo da MRV, Rubens Menin.

O sistema de geração de energia solar é capaz de gerar energia elétrica através das chamadas células fotovoltaicas. Este sistema permite a compensação entre o que é gerado pelo consumidor e o que é consumido da rede elétrica. Com o sistema fotovoltaico, o cliente passa a gerar e a usar sua própria energia através do sol como energia elétrica.

A ideia consiste na instalação de células fotovoltaicas no telhado dos empreendimentos que convertem energia solar em energia elétrica que é transmitida para a rede de distribuição da concessionária de energia local. Ao final do mês, a energia gerada pelo sistema entra como saldo e é abatida da conta de luz mensal, podendo até mesmo cobrir a quase totalidade da conta de energia do condomínio.

Fonte: Jornal do Comércio