Nova tecnologia mantém painéis solares sempre limpos e reduz o custo com manutenção

É normal que painéis fotovoltaicos acumulem partículas de poeira e sujeira com o tempo. Porém esse acúmulo leva a uma redução na quantidade de energia luminosa que chega às células fotovoltaicas resultando na redução da produção de energia, que pode chegar em até 50%, de acordo com alguns estudos.

Portanto, é crucial mantê-los limpos. No entanto, o processo de limpeza e manutenção regular pode ser dispendioso e também desperdiçar muita água.

Para resolver esse problema, o projeto Solar Sharc financiado pela União Europeia, desenvolveu uma tecnologia de revestimento altamente repelente que elimina a contaminação da superfície dos painéis, otimizando a eficiência energética e o rendimento fotovoltaico.

Em uma entrevista publicada no ‘European Coatings’David Hannan’, em parceira com a Opus Materials Technologies, disse que o desenvolvimento de revestimentos antissubstituição está sendo impulsionado pela agenda de sustentabilidade e pela necessidade de energia limpa.

Ele destacou os desafios envolvidos na produção de energia solar e acrescentou que “poeira, sujeira e incrustação de painéis solares são as principais fontes de ineficiência e perda de geração solar, resultando em perda de capacidade geradora para um valor superior a 40 bilhões de euros por ano.”

Revestimentos autolimpantes não são novidades, mas Hannan aponta algumas desvantagens dos atuais como: “vída útil pequena (2-3 anos), pouca transparência e alto custo (mais de 260 € / litro).” Devido ao alto custo, costumam não ser utilizados.

Maior eficiência

De acordo com o site do projeto, a estrutura de nanopartículas desenvolvida pelo Solar Sharc oferece “alta transparência, melhorando a eficiência de geração em 4% e a qualidade estética para aplicações arquitetônicas.

A química da sílica não é perigosa e permite a fabricação escalonável. ”Além de ser durável e autolimpante, o Solar Sharc* é antirreflexo, resistente a altas temperaturas e oferece excelente resistência a intempéries.

Graças às suas propriedades anti-reflexivas, o Solar Sharc melhora a passagem de luz permitindo que mais de 93% de toda a luz disponível atinja o semicondutor fotovoltaico.

O revestimento híbrido inorgânico-orgânico do Solar Sharc tem apenas alguns microns de espessura, como explicado no site do projeto.

“Com base em uma rede de sílica (vidro) quimicamente ligada a grupos orgânicos antiaderentes, o Solar Sharc [revestimento] prontamente repele a contaminação da água e da água.

Em vez de molhar a superfície, as gotículas de água formam gotas no revestimento e são prontamente laminadas em ângulos baixos.”

A contaminação sólida, como poeira e areia, é facilmente removida pela ação do vento ou pelo uso de quantidades mínimas de água.

*O SolarSharc é um revestimento de auto-limpeza durável para painéis solares fotovoltaicos capaz de melhorar a eficiência energética). O projeto teve início em 2017 e o lançamento do produto no mercado será em meados de 2019.

O vídeo a seguir demonstra como funciona a tecnologia.

Fonte: Ambiente Energia