Ônibus movido a energia solar depende de apoio da comunidade para manter projeto de pesquisa

Universidade Federal de Santa Catarina lançará campanha de financiamento coletivo para dar continuidade ao programa do eBus, primeiro ônibus totalmente elétrico com tecnologia brasileira.

O primeiro ônibus totalmente elétrico, com tecnologia brasileira e baterias alimentadas por energia solar, já ultrapassou 100 mil quilômetros rodados desde seu lançamento, em dezembro de 2016.

Projeto da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), o veículo, que ficou conhecido por eBus, vai entrar em nova fase no dia 11 de março de 2019, quando começa o ano letivo na instituição.

O professor Ricardo Ruther, coordenador da iniciativa, explica que nesse dia será lançada uma campanha de financiamento coletivo para captação de recursos e patrocínios visando a dar continuidade ao programa.

Em junho, o projeto financiado pelo Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações termina. Ele foi um sucesso, e agora queremos convidar toda a comunidade, que conhece o nosso projeto desde 2016, a ajudar a manter a ideia“, diz.

HISTÓRICO

O projeto, denominado “Desenvolvimento de ônibus elétricos para transporte público por energia solar fotovoltaica” começou em 29 de dezembro de 2014 com financiamento do ministério.

O professor Ruther conta que a Fundação Stemmer para Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação (Feesc) foi escolhida para receber e administrar os recursos do ministério, com o objetivo de projetar, construir e avaliar o desempenho de um ônibus elétrico (eBus), 100% alimentado por energia solar e utilizando baterias de íons de lítio, que equipam os veículos desse tipo.

Após uma licitação vencida pelo consórcio WEG-Marcopolo-Eletra-Mercedes, o eBus foi finalmente entregue em dezembro de 2016, passando em março de 2017 a fazer o serviço regular de transporte entre o Campus Trindade e o Sapiens Parque, no Norte da Ilha.  Relembre: Ônibus elétrico com energia solar já está em operação em Santa Catarina

O eBus faz cinco viagens por dia, rodando 52 quilômetros por itinerário e cerca de 5.000 kms/mês, totalmente alimentado por energia solar gerada nas coberturas do Centro de Pesquisa e Capacitação em Energia Solar da UFSC.

São 30 minutos de deslocamento entre o campus da UFSC e o Sapiens Parque, ocasião em que os usuários podem desfrutar de um ambiente de trabalho como se estivessem em uma sala da UFSC, com duas mesas de reunião, tomadas 220V USB, ar-condicionado e wi-fi.

Nos dois primeiros anos de funcionamento, o eBus já rodou mais de 100 mil quilômetros, o equivalente a duas voltas e meia no planeta, transportando mais de 30 mil passageiros.

Angela de Espíndola da Silveira, gerente executiva da Feesc, afirma que o eBus tem um forte apelo para a sustentabildade, preservação ambiental e mobilidade, “que precisa ser preservado e levado adiante“.

A Feesc apoia o desenvolvimento do projeto com recursos equivalentes aos serviços de gestão administrativa e financeira da iniciativa.

VIABILIDADE

Segundo a pesquisadora Marília Braga, o principal propósito do eBus é o levantamento de dados e a análise de viabilidade da tecnologia para que, em um futuro próximo, esses veículos possam ser empregados no transporte público de todo o Brasil.

Sua colega Anelise Medeiros Pires destaca a importância do apoio da comunidade na manutenção do projeto: “Os veículos elétricos representam o futuro da mobilidade e é muito importante para o Brasil entrar nesta onda. Ajudando nosso projeto você ajuda a construir um mundo mais sustentável“.

Atingindo nosso objetivo, conseguimos dar continuidade no próximo ano, sustentar os salários dos motoristas e manter as manutenções do veículo“, observa a pesquisadora Amanda Mendes Ferreira Gomes.

A Feesc foi criada pela Centrais Elétricas de Santa Catarina (Celesc) em 18 de maio de 1966, e é credenciada pelos ministérios da Educação e da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações como fundação de apoio à UFSC, ao Instituto Federal de Santa Catarina (IFSC) e à Universidade para o Desenvolvimento de SC (Udesc).

Dentre suas atividades estão o gerenciamento de projetos de ensino, pesquisa e extensão, e de desenvolvimento institucional, científico e tecnológico.

O ÔNIBUS:

O Marcopolo Torino Low Entry Eletra/Mercede-Benz O 500 U tem comprimento total de 12.710mm, transporta 38 passageiros sentados em poltronas estofadas, é equipado com rampa de acesso para portadores de necessidades especiais e sistema de ar-condicionado. A geração de energia elétrica é realizada por intermédio de módulos solares fotovoltaicos integrados.

O sistema de tração desenvolvido pela Eletra tem motor elétrico WEG Trifásico 250 L com 200/400 kW de potência com autonomia de até 200 quilômetros, com quatro recargas de seis minutos. O projeto de integração e tecnologia da Eletra possui baterias de tração tipo Ions de Lítio (Energia de 128kW/h com oito “Packs” e tempo de recarga de 2,5h com carregador lento e 0,5h com carregador rápido).

A recarga completa das baterias leva em média uma hora, mas graças à tecnologia de recuperação da energia nas frenagens, pode operar em trajetos de até 70 quilômetros sem nenhuma recarga.

Fonte: Diário do Transporte