Projeto quer transformar Canal do Sertão em gerador de energia

Nas escolas estaduais, seriam instalados painéis para captação de energia solar.

Projeto quer transformar Canal do Sertão em gerador de energia renovável. | Foto:: Agência Alagoas

O vice-governador e secretário de Estado da Educação, Luciano Barbosa, recebeu, nesta quinta-feira (10), no Palácio República dos Palmares, o embaixador do Canadá, Rick Savone, e o vice-cônsul comercial de tecnologias, Patrick Courcelles. Na oportunidade, ele revelou que o Governo do Estado desenvolve projeto para transformar toda a extensão do Canal do Sertão em uma usina fotovoltaica para captação e geração de energia solar. Outra iniciativa será instalar painéis sobre os telhados das escolas da rede estadual para que supram as unidades de ensino com a energia de baixo custo, limpa e renovável.

“Alagoas precisa se planejar para os seus próximos 50 anos. O governador Renan Filho tem conversado muito sobre como a gente deve se comportar em cada área para poder pensar o futuro de Alagoas e deixar algo de consistente para os futuros governantes que possam vir. Dentre outras coisas, é importante se pensar na geração de energia em qualidade e em quantidade, favorecendo o desenvolvimento econômico de nosso Estado”, declarou Luciano Barbosa.

Ele e os secretários de Estado do Desenvolvimento Econômico e Turismo, Helder Lima, e do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos, Alexandre Ayres, receberam o embaixador do Canadá e o vice-cônsul comercial de Tecnologias.

Barbosa apresentou as vantagens de aproveitar o Canal do Sertão para a geração de energia solar. “Primeiro, teremos uma grande produção de energia. São cerca de 250 km de extensão do canal. Segundo, vamos evitar a evaporação dessa água, uma perda que não faz sentido. E terceiro, essa cobertura evitará que a água seja contaminada pelo mau uso ou por animais. Dessa forma, cumpriríamos um papel importante para o nosso Estado: fornecendo energia, preservando o canal e possibilitando, inclusive, a irrigação daquela região a um custo relativamente baixo, porque usaríamos a própria energia produzida pelas placas fotovoltaicas”, citou o vice-governador.

Escolas

O secretário de Educação lembrou que com as novas tecnologias e as necessidades para o bom uso dos espaços físicos, a exemplo da lousa digital, da utilização de computadores e de refrigeradores de ar em sala de aula, o consumo de energia se elevou sobremaneira nas unidades de ensino. Dessa forma, avalia Barbosa, é preciso buscar alternativas de barateamento e a energia fotovoltaica é uma delas.

“As escolas possuem grandes telhados, que, em qualquer região de Alagoas, contam com muita incidência solar. Então, nós apresentamos o projeto ao governador, que ficou muito satisfeito com essa ideia. Faremos a licitação para a compra das placas solares de forma que possam cobrir as nossas escolas. Não será preciso fazer isso imediatamente com todas, mas podemos paulatinamente ir ampliando o número de equipamentos. Isso favorece também o caráter educativo, pedagógico, do uso da energia renovável, uma forma de mostrar a nossa juventude a importância da preservação do meio ambiente”, acrescentou o vice-governador.

O embaixador do Canadá Rick Savone afirmou que o Brasil, especialmente Alagoas, tem um grande potencial para a geração de energia fotovoltaica. “Aqui tem muito sol. O mais importante é termos uma visão para o futuro, onde estaremos todos pensando como melhorar o meio ambiente e, ao mesmo tempo, como podemos trabalhar juntos para usar nossas tecnologias e criar empregos. Brasil e Canadá têm a mesma visão nesse sentido”, destacou.

Fonte: Gazetaweb