Seminário discute desafios para uso da energia solar no Brasil

O seminário “Energia Solar: desafios e diretrizes para uma política municipal” foi realizado na Câmara

Ampliar as políticas públicas de incentivo ao uso da energia solar é o principal desafio para que cada vez mais pessoas utilizem esse recurso no Brasil. É o que disseram os especialistas que participaram nesta segunda-feira (19/3) do seminário “Energia Solar: desafios e diretrizes para uma política municipal”, realizado na Câmara Municipal de São Paulo para comemorar o Dia Municipal da Energia Solar – data criada a partir do Projeto de Lei (PL) 203/2015, do vereador Eliseu Gabriel (PSB).

De acordo com o presidente executivo da Absolar (Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica), Rodrigo Lopes Sauaia, o Brasil está atrasado no desenvolvimento de energia solar.  “O poder público demorou para identificar a energia solar como oportunidade para o desenvolvimento. No entanto, isso vem mudando e a própria população começou a cobrar os políticos”, disse.

Para Sauaia, é fundamental pensar em estratégias para que o País aproveite o potencial de geração de energia eólica. “O Brasil produz menos de 1% desse tipo de energia e precisamos avançar por meio de políticas de incentivo”, afirmou.

O subsecretário de Energias Renováveis do Estado de São Paulo, Antonio Celso de Abreu Júnior, afirmou que ações para incentivar o uso de energia eólica estão sendo feias. “O Estado tem interesse de estimular o aumento da produção desse tipo de energia e estamos promovendo incentivos e modernizando as legislações para estimular as empresas a instalarem os painéis fotovoltaicos”.

O diretor do Departamento de Edificações da secretaria municipal de Serviços e Obras, João Alberto Cantero, detalhou o que a capital paulista tem feito. “Os projetos novos têm de seguir várias regras de sustentabilidade. Entre elas, o de implantação de placas fotovoltaicas. O grande desafio ainda é modernizar os edifícios antigos”.

O vereador Eliseu Gabriel agradeceu participantes do debate e comentou a importância de o Brasil investir em políticas para incentivar o uso de energia solar.

“Essa fonte de energia é pouco utilizada. Estamos atrás de países como Alemanha e China, que têm menos capacidade de produção do que nós. O nosso potencial é enorme.Temos maior nível de insolação e ainda temos quartzo [material utilizado para fabricar os painéis fotovoltaicos]. Só não faremos se não quisermos. Porque temos todas as condições”.

O parlamentar ainda anunciou que apresentará na Câmara um Projeto de Resolução para a criação do Fórum Permanente de Energia Solar. “Precisamos ter um grupo para que tudo o que foi discutido aqui e novas propostas possam ser debatidas e implementadas”, disse.

Fonte: Câmara Municipal de São Paulo